Genotipagem do vírus da hepatite C (HCV)

Por: Dr. Celso Granato, Dr. Fernando Lopes Alberto?


O que é um teste de genotipagem viral?
Trata-se da caracterização, usualmente por seqüenciamento, de parte do material genético do vírus. Esses testes têm sido empregados como uma ferramenta para determinação dos genótipos de HIV-1, HPV, HCV e HBV, assim como para identificação de mutações associadas à resistência a drogas. É uma metodologia de alta complexidade o que restringe seu emprego aos centros diagnósticos de referência.

Qual o grau de variabilidade genética encontrada no HCV?
O genoma do vírus da hepatite C apresenta significativa variabilidade na estrutura primária de seu RNA e pode, de acordo com sua seqüência, ser agrupado, por homologia, em, pelo menos, 6 principais genótipos, denominados 1 a 6. Cada um deles pode ainda ser subdividido em vários subtipos, como 1a, 1b, 2a, 2b etc.

Qual a utilidade clínica da determinação do genótipo do HCV?
A identificação do tipo ou genótipo de HCV que infecta um determinado paciente tem significativa importância clínica, pois há dados indicando que o genótipo 1 tem pior prognóstico de resposta à terapia, com conseqüente modificação do protocolo terapêutico. Desta forma, a genotipagem do HCV está indicada como um dos elementos utilizados para avaliação do prognóstico e planejamento terapêutico de pacientes infectados pelo HCV.

Qual o melhor método laboratorial para genotipagem do HCV?
O método de escolha para genotipagem do HCV é o seqüenciamento de regiões de seu genoma. Habitualmente, são avaliadas para este fim uma das seguintes regiões do RNA do HCV: região 5’ não-codificante, E1 ou NS5B. Há, ainda, um método alternativo, de amplificação da região 5’ não-codificante seguida pela hibridização com sondas específicas para cada um dos principais genótipos do HCV (viabilizado com a utilização de kit comercial). Embora efetivo para a maioria dos casos, esse método pode não permitir a identificação do subtipo em casos mais complexos e em pacientes com infecção por mais de um tipo de HCV. Por esta razão, o método de seqüenciamento, embora de maior complexidade, é o método de eleição para genotipagem do HCV.

Qual a distribuição dos diferentes genótipos do HCV na população brasileira?
Em estudo realizado, 233 amostras consecutivas de pacientes infectados pelo HCV, a prevalência dos principais genótipos do HCV foi a seguinte: 1b - 45,6%; 3a - 32,5%; 1a - 15,8%; outros subtipos - 6,1% (veja imagem abaixo).



Emprego dos testes de Biologia Molecular na Hepatite C
No manejo do diagnóstico e acompanhamento dos portadores de Hepatite C, três testes de Biologia Molecular são imprescindíveis na prática:
1. Determinação qualitativa de HCV-RNA;
2. Determinação quantitativa de HCV-RNA (carga viral);
3. Genotipagem.

Indicações de HCV-RNA qualitativo:
• Diagnóstico de viremia (para todo paciente anti-HCV positivo);
• Diagnóstico precoce de infecção (após acidente com material contaminado, por exemplo);
• Diagnóstico de transmissão materno-fetal;
• Diagnóstico em imunossuprimidos;
• Avaliação de resposta ao tratamento;

Indicações de carga viral:
Somente nos candidatos a tratamento. É realizada em mais de um ponto durante o tratamento

Indicações de genotipagem:
Somente nos candidatos a tratamento. É realizada somente uma vez, antes do tratamento.

Fonte: http://www.fleury.com.br/